Portal de Notícias do Estado do Paraná

Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2024
Governo do Paraná
Governo do Paraná

Mundo

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, decretou nesta 5ª feira (10) estado de emergência de 60 dias

Com o estado de emergência, a Polícia Nacional e as Forças Armadas passam a ser responsáveis pela manutenção da ordem pública

Clécio Silva
Por Clécio Silva
O presidente do Equador, Guillermo Lasso, decretou nesta 5ª feira (10) estado de emergência de 60 dias
Reprodução
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

A medida foi tomada por meio do decreto 841 depois do assassinato do candidato à presidência equatoriana, Fernando Villavicencio, na 4ª feira (9.ago). Lasso também estabeleceu, por meio do decreto 840, 3 dias de luto nacional pelo episódio.

Com o estado de emergência, a Polícia Nacional e as Forças Armadas passam a ser responsáveis pela manutenção da ordem pública e da segurança interna do Equador. O decreto também estabelece que a força pública tem poderes para impedir e desfazer reuniões em espaços públicos caso possíveis ameaças sejam identificadas.

ENTENDA O CASO

Fernando Villavicencio, 59 anos, foi morto a tiros na 4ª feira (9.ago), durante um ato político em Quito, capital do Equador. Ele foi baleado 3 vezes depois de sair de um comício e entrar em seu carro. Pelo menos outras 7 pessoas ficaram feridas durante o atentado.

Publicidade

Segundo a Procuradoria Geral do Equador, 6 pessoas foram presas por suspeita de envolvimento no assassinato. Outro suspeito morreu durante troca de tiros com seguranças. Nesta 5ª feira (10.ago), a facção criminosa “Los Lobos”, uma das maiores do país, reivindicou a autoria do atentado.

Em um vídeo divulgado no X, antigo Twitter, um grupo de homens encapuzados acusou Villavicencio de não cumprir promessas. Eles também ameaçaram matar Jan Topic, outro candidato à eleição.

“Queríamos deixar claro para toda a nação equatoriana que toda vez que os políticos corruptos não cumprirem a promessa que estabeleceram quando receberem nosso dinheiro, que é de milhões de dólares, para financiar sua campanha, eles serão dispensados”, disse um porta-voz do grupo.

“Isso se repetirá quando os corruptos não cumprirem a palavra. Você também, Jan Topic, mantenha sua palavra. Se você não cumprir suas promessas, você será o próximo”, completou.

 
 
 

A votação para a escolha de um novo governo do Equador está marcada para 20 de agosto. No pleito, serão escolhidos um novo presidente, vice-presidente e 137 parlamentares.

As eleições foram convocadas depois de Guillermo Lasso assinar um decreto (íntegra, 2,5 MB, em espanhol) em 17 de maio, determinando a dissolução da Assembleia Nacional do país.

A medida impediu que os deputados equatorianos prosseguissem com o processo de impeachment, iniciado em 9 de maio contra o líder equatoriano. Ele é acusado de cometer peculato na gestão da estatal Flopec (Frota Petroleira Equatoriana) em contratos firmados entre 2018 e 2020.

Mesmo depois da morte de Fernando Villavicencio, o governo do Equador anunciou que as eleições estão mantidas.

Em pesquisas recentes, o candidato à presidência assassinado alternava entre o 4º lugar e o 5º lugar, com total de intenção de votos variando de 6,8% a 7,4%.

 
 
Presidente decreta estado de emergência por 60 dias no Equador
Presidente decreta estado de emergência por 60 dias no Equador© Fornecido por Poder360
Reprodução/Facebook – Fernando Villavicencio – 30.jul.2023
 
Fernando Villavicencio tinha o combate à corrupção como bandeira de campanha para a presidência do Equador

Além de político, Fernando Alcibiades Villavicencio Valencia era jornalista e ativista. Nascido em 11 de outubro de 1963, ele estudou jornalismo na Universidade Cooperativa da Colômbia.

Autor de 10 livros, Villavicencio também lançou sites de notícias no Equador. Em 1995, foi um dos fundadores do Partido Pachakutik. A plataforma política de oposição ao neoliberalismo visava a reunir representantes de movimentos sociais.

No jornalismo, se dedicava a denunciar crimes ambientais e trabalhistas da Petroecuador, estatal petrolífera do Equador, onde trabalhou e atuou no sindicato.

Também reportava casos de corrupção no governo do então presidente Rafael Correa. Em 2014, Villavicencio foi condenado a 18 meses de prisão por injúrias contra Correa e recebeu asilo político no Peru.

Foi eleito para a Assembleia Nacional em 2017. Deixou o cargo em maio deste ano depois de o presidente Guillermo Lasso dissolver o Parlamento. Ele então anunciou sua candidataria à presidência do Equador pelo Movimento Construye.

FONTE/CRÉDITOS: por PODER360
Comentários:

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!