Portal de Notícias do Estado do Paraná

Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2024
Governo do Paraná
Governo do Paraná

Política

Mortes, desnutrição, garimpo ilegal é o atual drama dos ianomâmis no governo Lula

Cerca de m ano atrás, o então Ministro da Justiça Flávio Dino ordenou à PF investigação de equipe de Bolsonaro

Portal Paraná Urgente
Por Portal Paraná Urgente
Mortes, desnutrição, garimpo ilegal é o atual drama dos ianomâmis no governo Lula
Ministério da Defesa
Espaço para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
Imagens

Um ano depois de o governo Lula (PT) decretar emergência de saúde pública na região dos ianomâmis, o que se vê na comunidade indígena, localizada na na Floresta Amazônica, é a volta da exploração de garimpo ilegal, desnutrição, aumento do número de mortes de crianças e dos casos de doenças graves, como a malária.

Em janeiro de 2023, depois da divulgação de fotografias de indígenas extremamente magros, por causa de desnutrição crônica, o então ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, determinou à Polícia Federal a investigação de integrantes do governo de Bolsonaro. 

Eles eram acusados pela suposta prática de omissão de socorro e genocídio, que é o extermínio intencional de um povo ou etnia.

Publicidade

No estopim da crise sanitária na região, o atual governo decretou a criação do Comitê de Coordenação Nacional para prestar atendimento a essa população. No entanto, o que se viu na gestão petista foi o crescimento de 50% do número de mortos, somente até novembro de 2023.

 

Discurso X realidade

Devido à crise humanitária, o presidente Lula da Silva reiterou que a situação se tratava de um crime de “genocídio”. Em mensagem ao Congresso Nacional, em janeiro, ele disse que a condição daquelas pessoas exigia ações mais rigorosas.

 

Mais mortos no governo Lula

Quase um ano depois do discurso, o número de mortes de ianomâmis saltou para 308, um aumento de quase 50% na comparação com 2022. O dado foi divulgado em 21 de dezembro pela Secretaria de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde.

Segundo o relatório, de janeiro a novembro de 2023, 162 crianças ianomâmis de até 4 anos morreram principalmente de doenças respiratórias, infecciosas e parasitárias.

O diagnóstico não menciona desnutrição. Mas a Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra no local dezenas de casos graves, como o de uma criança de 1 ano e 9 meses que pesa 5,3 kg, o equivalente a um bebê de 3 meses.

Em 2023, houve um registro de 25,2 mil casos de malária, o que representa um aumento de  61% em relação a 2022. 

 

Garimpo ilegal

Lula também falou, no discurso do Congresso, sobre a urgência da retirada de garimpeiros que exploram ilegalmente as terras indígenas.

Hoje, cerca de 8 mil garimpeiros ainda atuam no território ianomâmi, muitos deles a mando do crime organizado, que se alastra pela região.

De acordo com um levantamento da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), mais de 60% dos rios daquela área já foram contaminados pela atividade irregular de garimpo, o que agrava ainda mais a situação do maior território indígena do país.

FONTE/CRÉDITOS: Por Myllena Valença
Comentários:
Governo do Paraná
Governo do Paraná

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!