Portal de Notícias do Estado do Paraná

MENU
Logo
Domingo, 16 de maio de 2021
Publicidade
Publicidade

Cidades

Seis casos de raiva bovina são registrados em Cascavel

Vale lembrar que ela é uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida para humanos.

195
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

A Adapar (Agência de Defesa Agropecuária) de Cascavel informou que os casos de raiva bovina registradas no município subiram para seis. O primeiro caso foi registrado no dia 26 de março, na localidade de Colônia Barreiros, próximo à BR-369, sentido Corbélia. Agora, a abrangência aumentou, atingindo: Reassentamento São Francisco, Lago Azul, Colônia Melissa, Centralito, Colônia Esperança e Distrito de São João do Oeste. O município de Corbélia também já começou a ser atingido. “Há um único caminho: a vacinação”, recomendou Paulo Vallini, diretor secretário do Sindicato Rural de Cascavel e presidente do Comder (Conselho de Desenvolvimento Rural de Cascavel).

A raiva em animais herbívoros é uma das preocupações constantes dos pecuaristas da região Oeste do Paraná. Os casos acometem os rebanhos de bovinos, equinos e ovinos dos municípios ao entorno do Parque Nacional do Iguaçu e também dos mais afastados. Transmitida principalmente pela espécie de morcego hematófago (se alimenta de sangue) Desmodus rotundus, a zoonose (que também passa para humanos) precisa ser dada atenção. Vale lembrar que ela é uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida para humanos.

Os sinais compatíveis com suspeita de raiva nos herbívoros são o isolamento, perda de apetite, salivação abundante, perda de equilíbrio e consequentes quedas, opistótono (estiramento do pescoço), entre outras. “É importante destacar que a raiva nos herbívoros é a paralítica e não a raiva furiosa, como nos cães. Quando um médico veterinário identifica animais com sintomatologia de doenças nervosas, ele precisa informar obrigatoriamente a Adapar.

A médica veterinária da Adapar de Cascavel, Luciana Monteiro, destacou que todos os produtores com bovinos, equinos, ovinos e caprinos devem vacinar os animais e fazer o reforço 30 dias depois.

Luciana reforçou que é necessário contatar a Adapar se o produtor verificar os sintomas nos animais e se descobrir abrigos de morcegos. Telefones: (45) 2101-4955, 2101-4961, 2101-4968.

 

Orientação para a saúde humana

A Secretaria de Saúde orienta que as pessoas que nos últimos meses tiveram contato com a saliva desses animais (suspeitos ou confirmados) com as mãos desprotegidas, procurem atendimento médico (USF Lago Azul e na UPA Veneza nos finais de semana ou assistência particular), para que um médico avalie a necessidade da vacinação antirrábica. Mantenha os cães e gatos vacinados e procure atendimento médico em caso de mordidas ou arranhões por cães, gatos e morcegos. Telefone de contato do Setor de Zoonoses para orientações: (45) 3902-1769 ou plantão 98804-7211.

Telefone de contato do ambulatório antirrábico para orientações sobre a vacina em humanos: (45) 3392-6408.

CASCAVEL

Fonte/Créditos: Jornal do Oeste

Créditos (Imagem de capa): Reprodução

Comentários:

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade